sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Loteca 622 – Favoritos/Zebras Percentuais.

01= 30,2% = 31,4% = 38,4% 
02= 30,4% = 32,9% = 36,7%
03= 40,2% =31,4% = 28,4 %
04= 41,9% = 32,2% = 25,9%
05= 11,7% = 23,1% = 65,2%
06= 38,2% = 30,9% = 30,9%
07= 60,3% = 22,9% = 16,8%
08= 58,2% = 26,2% = 15,65
09= 33,7% = 28,7% =37,6%
10= 19,2% = 33,9% = 46,9%
11= 36,5% = 33,2% = 30,3%
12=57,5% = 23,9% = 18,6%
13= 37,3% = 28,4% = 34,3%
14= 38,3 % = 31,2% = 30,5% 

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Loteca 622 – De olho nas Zebras.

05 -  Vila Nova/GO

08 - Chapecoense

10 – Criciúma/SC

Loteca 622 – Melhor Marcação na C 2.

02 – São Paulo

Loteca 622 – Melhores Marcações na C M.

01 – Flamengo x Fluminense


14 – Cruzeiro x Atlético/MG

Loteca 622 – Melhor Marcação na C 1.

12 – Santos  

Loteca 622 – Três Melhores Fixos.

07 – Vasco
08 – Grêmio
12 – Santos

Loteca 622 – Fixos 7 x 5.

03 – Goiás
04 – S. Corrêa
06 – Moto Clube
07 – Vasco
08 – Grêmio
11 – Sport

12 – Santos

Loteca 622 - Palpites Simples.


Loteca 622 - Dicas para Desdobrar.


Loteca 622 – Chave de 5, esquema de duplo.

Fixos 7 x 5.

7, 8 e 9 Colunas 1.

Jogos Fixos:  03 – 04 – 06 – 07 – 08 – 11 – 12

06 – 07 – 08 – 11 – 12
04 – 07 – 08 – 11 – 12
04 – 06 – 08 – 11 – 12
 04 – 06 – 07 –11 – 12
04 – 06 – 07 – 08 – 12
04 – 06 – 07 – 08 –12
03 – 07 – 08 – 11 – 12
03 – 06 – 08 – 11 – 12
03 –  06 – 07 – 11 – 12
03 –  06 – 07 – 08 –12
03 –  06 – 07 – 08 – 11
03 – 04 –  08 – 11 – 12
03 – 04 – 07 –  11 – 12
03 – 04 – 07 – 08 – 12
03 – 04 – 07 – 08 – 11
03 – 04 – 06 – 11 – 12
03 – 04 – 06 – 08 – 12
03 – 04 – 06 –08 – 11 –
03 – 04 – 06 – 07 – 12
03 – 04 – 06 – 07 – 11  

03 – 04 – 06 – 07 – 08 

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Loteca 621 – Favoritos/Zebras Percentuais.

01= 33,0% = 37,0% = 30,0%
02= 39,6% = 33,9% = 26,5%
03= 40,0% = 32,0% = 28,0%
04= 46,9% = 28,2% = 24,9%
05= 19,7% = 34,1% = 56,2%
06= 32,2% = 36,9% = 30,9%
07= 55,7% = 26,7% = 17,6%
08= 51,1% = 30,2% = 18,7%
09= 36,7% = 27,7% = 35,6%
10= 37,2% = 32,9% = 29,9%
11= 38,5% = 28,2% = 33,3%
12= 60,5% = 25,9% = 13,6%
13= 34,3% = 35,4% = 31,3%
14= 40,4% = 32,3% = 27,3%

Lotequeiro desde 1973. Mano!


  • Plantão Esportivo: Jota Silva / Desde quando a ZEBRA era filhote, nos anos 70.  "Nunca acreditei em PAPAI NOEL". Nos anos 70, somente tinha ZEBRA cabeluda.

  • Somente existiam  bilhetes da Loteria Federal e a Loteria Esportiva, ( "No Brasil nunca  existiu  jogo do Bicho"), para desgraçar a Loteria Esportiva, apareceu a LOTO ( hoje, é Quina), depois apareceram outros jogos de números e mais algumas  "lambanças". Fim da Loteria Esportiva ( hoje, Loteca). Já tentaram ressuscitar a Loteca várias vezes. Sem êxito, é disso para pior.      

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Loteria Esportiva / Loteca: Notícias para novatos e os otários.

postheadericon Escândalo da Máfia da Loteria Esportiva
AddThis Social Bookmark Button

A Loteca envolvia fraude nos resultados dos jogos de futebol nos anos 80, uma complexa engrenagem de suborno montada pelos zebrões dos jogos e que envolvia jogador, técnico, dirigente, juízes e jornalista que formavam uma rede de corrupção;

Alta Máfia da Loteria Esportiva foi denunciada em 1982, pela revista Placar, dirigida pelo jornalista Juca Kfoury, que na ocasião foi ameaçado por ter publicado a fraude envolvendo jogadores de futebol, árbitros, técnicos, dirigentes numa complexa engrenagem de suborno montada pelos “zebrões” dos jogos de futebol da Loteria Esportiva, a Loteca. A Placar desvendou essa máfia que sustentou durante anos uma rede de corrupção que lesava toda a sociedade brasileira..

Vinte e três anos depois, a Máfia do Apito, em 2005, desvendada pela revista Veja e Polícia Federal, continuava fraudando a Loteria Esportiva, e comprometendo o Campeonato Brasileiro. Se antes as apostas eram feitas nas casas lotéricas, na máfia atual a quadrilha lucrava em apostas milionárias em sites de jogatina na Internet. Um juiz forjava pênaltis, expulsava jogadores injustamente, validava gols ilegais e anulava gols legítimos.

Edilson Pereira de Carvalho, o juiz que chegou a pertencer aos quadros da FIFA, e seus comparsas, donos de bingos em São Paulo e Piracicaba faziam tramoias, em troca de propinas que variavam entre 10.000 e 15.000 reais por partida.

Alta Loteca e a Máfia - Nos anos 70, depois da criação da Loteria Esportiva, surgiram boatos de manipulação de resultados em alguns testes. Em 1981, os rumores cresceram e Placar designou o repórter Sergio Martins para mergulhar no caso. A revista priorizou o jornalismo investigativo no esporte, realizado em poucas vezes na história da imprensa esportiva brasileira.

Problemas no esporte eram tabus, e quando publicados ocupavam espaços pequenos e escondidos, afinal futebol é a alegria do povo. Durante muitos anos a imprensa esportiva divulgou com freqüência a chamada “máfia da loteria”. Primeiro Placar, depois Veja, ambas da Editora Abril, mas com uma diferença de 23 anos.

Mas foi no final de um ano de investigação nos anos 80, com a colaboração de um arrependido da Máfia, o radialista Flavio Moreira, que a reportagem da Placar foi publicada, desmascarando 125 envolvidos entre jogadores, juízes, técnicos, dirigentes e jornalista, numa complexa engrenagem de suborno montada pelos “zebrões” da máfia. O processo se arrastou na Justiça, com poucos resultados concretos.

Flávio Moreira era chefe do setor de loterias da Sport Press, que organizava os testes escolhendo alguns jogos que interessavam a Máfia, mandando-os para aprovação em Brasília. Esses jogos determinados envolviam clubes nos quais os vários grupos que formavam a Máfia da Loteria tinham facilidade de acesso.

Segundo a reportagem da revista esportiva, “Flávio Moreira chegara ao Rio logo após a Copa do Mundo de 1974 e alguns meses depois recebia um telefonema de Alberto Damasceno, radialista cearense com quem tinha amizade. – Flávio, uma pessoa de São Paulo quer falar contigo – disse Damasceno, supervisor e arrendatário do América de Fortaleza. Dias depois, Flávio mantinha seu primeiro encontro com João Nunes Filho, na época gerente do Banco Econômico, agência Pinheiros, em São Paulo, que se dizia representante de um grupo que jogava pesado na Loteria Esportiva.

Com o tempo, Flávio descobriu que Nunes era o próprio chefe do grupo e não apenas um mero representante. E, aos poucos, a participação de Flávio deixou de ficar restrita a escolha dos jogos nos testes que preparava. Passou a ser, na verdade, o principal contato do grupo na fabricação dos resultados inesperados nos campos de futebol do país. – “Era uma bola de neve”, comparou o radialista. “A cada dia ficava mais envolvido e consciente de que não dava mais para sair.”

Em dezembro de 1985, a Policia Federal finalmente anunciou a conclusão do inquérito sobre a Máfia da Loteria. Dos 125 acusados pela reportagem de Placar, apenas 20 foram indiciadas, pelas dificuldades de encontrar provas, apesar do grande número de evidências. A lista era encabeçada pelos comerciantes Ary Gil Cahet, Manoel Rodrigues Mansur, Roque Antonio Pereira Pires, Leon Barg e Aziz Abdalla Domingos, indiciados como membros das ramificações carioca e paranaense do esquema.

A Placar também revelou que os jogadores do Vasco da Gama, Adeir Pinheiro e Sérgio Pereira também se envolveram com a Máfia da Loteria. Eles foram acusados oficialmente por ex-companheiros de equipe da Desportiva Ferroviária de terem pretendido manipular o resultado da partida Desportiva x Ordem e Progresso, jogo 4 do teste 568 do dia 11/10/1981, quando tentaram subornar o goleiro Rogério com 300 mil cruzeiros a fim de que facilitasse a derrota da Desportiva, no que seria a maior zebra do teste.

As investigações da revista descobriram onde os zebrões descarregavam suas apostas em São Paulo: na Loteria Esportiva Bom Retiro. A casa de propriedade de Francisco Aspis, que o diretor de futebol do Colorado, Aziz Domingos, o comerciante paranaense Leon Barg e o carioca Manoel Rodrigues Masur, o Nelito, jogavam com freqüência, segundo o próprio Aspis.

(Atualizado em 29/07/2011).
Links relacionados

Ode a Calheiros

Escândalos da Máfia da Loteria (parte 1)

Máfia do Apito

Máfia da arbitragem

A mídia sabe apurar. Falta querer

Fonte: